06/11/2019 às 13:40 - Atualizado em 09/03/2020 às 14:47

Empregado que destruiu prova de processo trabalhista é multado em R$3,6 mil

Reclamante informou ter incinerado CD que apresentado pela empresa reclamada no processo, com imagens da câmara de segurança do condomínio em que trabalhava, pensando tratar-se de uma cópia. Contudo, para o juiz da 7ª Vara do Trabalho de Florianópolis, a conduta do reclamante teve o evidente objetivo de ocultar a prova, condenando-o ao pagamento de multa, decisão esta mantida pelo Tribunal Regional do Trabalho catarinense.

 

Um porteiro terceirizado de Florianópolis foi multado em R$ 3,6 mil após ter incinerado um CD que constava como prova judicial em um processo trabalhista. A decisão é da 5ª Câmara do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região (TRT-SC), que considerou a atitude do vigilante como “ato atentatório à dignidade da justiça”.

A ação foi proposta pelo próprio vigilante em 2017, depois de ele ter sido dispensado por justa causa. A prestadora de serviços alegou que o vigia acumulava advertências e, em certa ocasião, havia sido flagrado na portaria distraído com o celular, enquanto uma das residentes precisou aguardar sete minutos para conseguir entrar no imóvel.

Ao apresentar sua defesa na 7ª Vara do Trabalho de Florianópolis, a empresa anexou ao processo um CD com imagens das câmeras de segurança do condomínio. O disco foi então entregue pelos servidores ao trabalhador, para que ele e seu advogados se manifestassem. Ao ser alertado para devolver o material à Vara, o trabalhador disse que o havia incinerado, pensando tratar-se de uma cópia.

'Conduta grave', aponta juiz

Embora o disco fosse, de fato, uma cópia, o argumento não convenceu o juiz do trabalho Carlos Alberto Pereira de Castro, que decidiu pela validade da dispensa. O magistrado considerou que o ato do empregado teve "evidente objetivo" de ocultar a prova e condenou o trabalhador a pagar multa de R$ 3,6 mil (9% sobre o valor da causa), a ser revertida para o Hospital Infantil Joana de Gusmão, na Capital.

"Intimada a parte autora para apresentar a cópia do CD, inacreditavelmente, esta informa que incinerou o documento, alegando que a cópia a ele pertencia", registrou o juiz. "Isto, definitivamente, em nada se confunde com o ‘direito de ação’ ou o 'direito à ampla defesa', caracterizando-se, sim, como abuso de tais direitos", criticou.

A defesa do empregado recorreu então ao TRT-SC, e o caso voltou a ser julgado na 5ª Câmara do Regional. Por unanimidade, o colegiado manteve a aplicação da multa, interpretando que o empregado tentou eliminar a prova dos autos.

“O fato de a ré ter apresentado mais de uma cópia do documento não é capaz de elidir o caráter antiético e desleal do ex-empregado” destacou a relatora do processo, desembargadora Ligia Maria Teixeira Gouvêa. "A referida prova não lhe pertencia, uma vez que é o juiz da causa o destinatário primordial da prova."

A defesa do empregado recorreu da decisão.

 

Fonte: Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região

Problemas com a imagem

Sobre o Sindicato

Sindicato do Comércio Atacadista do Vale do Itajaí

  • Endereço:
    Rua Eugen Fouquet, 133 - Victor Konder
  • CEP: 89012-140
  • Processo: 351
  • Telefone(s): (47) 3221-5750
    Fax:
  • Email contato: contato@sincavi.com.br
  • Presidente:
    CÉLIO FIEDLER